O tema desse ano do baile de carnaval da revista Vogue Brasil foi o “Divino, Maravilhoso”, que explora a multiculturalidade do nosso país, um tema cheio de importância e pertinência que marca o momento histórico de valorização da cultura local ante a globalização.
E os estilistas e as famosas não economizaram em referências poderosas e resultados incríveis. Vamos destrinchar alguns looks chave para exemplificar esse evento e sua importância, não deixe de conferir.
 
Thaila Ayala, junto com Renato Góes fizeram uma homenagem musical à Rita Lee e aos Mutantes, valorizando não só a cultura do rock brasileiro mas também remetendo a moda da década de 1980.
Sabrina Sato foi representando a cultura indígena e a amazônia, em um look básico mas importante, pois era composto por acessórios tipicamente indígenas como cocar com penas e até pulseirinhas de semente, além disso Sabrina incorpora a personagem e relembra a importância da valorização das nossas raízes nativas.
Não podemos deixar de mencionar o look de Dudu Bertholini que fez uma homenagem  elegendo uma das figuras mais emblemáticas da TV brasileira e que marca essa mistura de culturas do Brasil : Elke Maravilha. O estilista usou roupas do acervo original da apresentadora e tiara assinada pelo designer Breno Beauty. 
Thássia Naves representou o nordeste, se inspirou na personagem Maria Bonita para criar a sua fantasia, assinada por Helo Rocha para Le Lis Blanc. “Nada mais divino e maravilhoso que representar a primeira mulher da história a fazer parte do cangaço. Sou forte, guerreira e tenho a missão de influenciar as outras mulheres a acreditarem em si e vencer suas batalhas!“, disse ela em seu Instagram.
E a homenagem ao nordeste não parou por ai, Kadu Dantas em parceria com o estilista Walerio Araujo, foi em um look poderoso todo de paetês homenageando o estado de Pernambuco, mais especificamente o Maracatu Rural.
Já a blogueira Fernanda Figueiras, escolheu dentro do nordeste o sertão como inspiração, e junto ao estilista Melkzda criou um look inspirado na literatura nordestina, nos cordéis, no seu instagram ela compartilhou O sertão sob o olhar da literatura de cordel… Os desenhos foram pintados à mão usando a referência da xilogravura muito usada no cordel! “
Por Francisco Cassemiro

Responder