Os delegados da Polícia Civil do Piauí realizaram uma manifestação, ontem pela manhã, em frente ao Palácio de Karnak, sede do executivo estadual. Dezenas de profissionais da segurança pública queriam se reunir com o governador Wellington Dias para apresentar uma série de reivindicações.

 

Os delegados encontraram os portões do Palácio fechado e o governador não atendeu a categoria. A presidente do Sindicato dos Delegados do Piauí, delegada Andrea Magalhães, foi informada que Wellington Dias estava com a agenda lotada e não tinha como receber os representantes dos delegados.

 

A maioria dos delegados estava de ternos e vestidos pretos.

 

“Hoje encontramos aqui o Palácio com portão fechado e o cadeado passado. Esse ato aqui, simplesmente remete ao tratamento que o governador (Wellington Dias) está dando ao povo, porque nós somos servidores públicos. Servimos o povo”, declarou Andrea Magalhães.

 

Os delegados aguardam, há um bom tempo, que o governo tome providências para melhorar as condições das delegacias e da Polícia Civil do Piauí. Segundo Andrea Magalhães, nos últimos três anos, o secretário de Segurança Pública Fábio Abreu não foi eficiente para efetivar melhorias na Polícia Civil. Ela afirma que o investimento não chega nas delegacias e o efetivo continua defasado. A presidente do Sindicato dos Delegados do Piauí denunciou que há 2 mil cargos criados e vagos na Polícia Civil.

 

“Não aceitaremos nenhum diálogo com outra pessoa, a não ser com o governador. Voltaremos aqui, não só essa vez, como outras vezes e com o povo. Chamaremos a população e vamos para as ruas. O nosso movimento não é político”, declarou a presidente do sindicato.

Responder