Os deputados estaduais Flávio Nogueira Júnior (PDT), Francisco Limma (PT) e Georgiano Neto (PSD) se pronunciaram nesta quarta-feira (12), sobre a Operação Itaorna que visa coibir a prática de fraudes em licitações referentes a Construtora Crescer e foi deflagrada pelo Ministério Público por meio da 44ª Promotoria de Justiça de Teresina, em conjunto com o Tribunal de Contas do Estado do Piauí, Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado no Piauí e Polícia Rodoviária Federal. Para os  deputados a operação visa comprometer a classe política e está sendo realizada com espetacularização desnecessária.

Pela Operação foram aprendidos equipamentos nas sedes das Secretarias Estaduais de Turismo e de Desenvolvimento Rural, Instituto de Desenvolvimento do Piauí – IDEPI, Coordenadorias de Desenvolvimento Social e Lazer e Coordenadoria de Combate à Pobreza Rural.

O deputado Francisco Limma afirma estar preocupado com o que chama de onda de denuncismo. O parlamentar fez pronunciamento nesse sentido no plenário da Assembleia Legislativa do Piauí. “A preocupação é com essa onda de denuncismo agora, faltando 20 dias para a eleição. A Assembleia  tem que se posicionar sobre isso, não podemos deixar que o interesse de A ou B tumultue o processo eleitoral. É preciso deixar que o povo decida. Por que esses mandados acontecem nesse período?”, indagou Francisco Limma, que foi gestor da Secretaria Estadual de Desenvolvimento Rural.

Em relação a denuncia contra a Secretaria, Francisco Limma afirma que está tranquilo. “Enquanto eu estive lá não teve crise e acredito que não terá. O que soube é que se traga de um processo de uma empresa que é de 2016, obra feita, recebida concluída e paga,  um projeto de um pouco mais de 300 mil reais,  cem por cento realizado, cem por cento atestado e cem por cento concluído, inclusive com as contas atestadas pelo Tribunal de Contas. Até dá um atestado de idoneidade pelo volume de recursos gerenciados pela SDR cujo foco tem sido muito mais o apoio à infraestrutura na área de produção rural do que outras atividades”, diz.

O deputado petista diz que só pode acreditar ser essa uma questão política. “Eu só posso entender que seja nesse sentido, não posso entender outra coisa. Não que eu seja contra  qualquer tipo de investigação. Sou a favor e estou tranquilo. Não tenho medo das coisas que faço. Sou muito criterioso. Posso ter medo pelo que os outros fazem e eu assino. Mas por onde eu passei nunca tive uma conta reprovada. Agora, estou bastante preocupado com essa espetacularização da política.  Tudo isso não tem tido como o alvo só o PT, o candidato A ou B, mas sim os políticos. E nós não podemos entrar nisso isso. É ruim para quem está na política. No Brasil ou no mundo, toda decisão depende da política. O que temos que fazer é melhorar a qualidade dos políticos e não ficar fazendo espetáculo para atingir quem está na liderança das pesquisas. Deixem que o povo decida. O Tribunal Regional acabou de ter o seu presidente afastado pelo CNJ por conta dele ser irmão de um deputado federal. Então o que coloquei é que a Assembleia peça para as instituições que fazem controle, analise de contas, investigação, que vejam  quem são os parentes próximos de candidatos e que essas pessoas ou peçam o afastamento ou sejam afastadas, seguindo o exemplo do TER. O que não pode é ficar com essa espetacularização no período eleitoral. Isso não pode”, disse.

Para o deputado Flávio Nogueira Júnior, que foi secretário de Turismo, a questão tem que ser encarada de forma tranquila. “Todos os processos e certames  licitatórios da Secretaria de Turismo são transparentes. Existe o portal da transparência, existe também o mural do Tribunal de Contas do Estado. Eu realizei, enquanto gestor do Turismo,  mais de cem licitações e essa empresa que é investigada apenas venceu uma licitação, publicada no Diário Oficial do Estado, para a qual foi dada ordem de serviço. E não precisa ninguém dizer, eu mesmo vi quando acompanhei caravana do governador, vi que a obra estava sendo feita. Não foi feito ainda sequer um pagamento sobre essa obra e coincidentemente o fiscal da obra está em Coronel José Dias, fiscalizando se há medição. Se tiver medição, consequentemente nos iremos pagar. Não há nenhum problema sobre isso. Estou tranquilo”,  afirmou.

O também deputado Georgiano Neto também se pronunciou. “Venho de uma família em que tratamos a política com muito compromisso, seriedade, comprometimento, honrando os votos dos piauienses, mostrando resultados,  que é isso que a população espera. Estamos cansados de discurso e de falsas promessas e hoje aconteceu esse episódio de cumprimento de mandado de busca e apreensão na Coordenadoria de Desenvolvimento Social e Lazer, órgão em que está indicada a Simone Pereira, representante do nosso partido e tentam vincular uma investigação sobre uma empresa à gestão da CDSol. Uma construtora investigada pelo Gaeco, que tem um único contrato entre centenas da Coordenadoria. Se faz uma busca e apreensão fazendo pirotecnia, um verdadeiro estardalhaço. Lamentamos muito esse comportamento hostil, voltado para  realmente confrontar a classe política. Mas, como representante do povo tenho consciência tranquila, de muita serenidade, para encarar esse momento”, disse.

Georgiano Neto acredita que desestabilizar a classe política é realmente um dos objetivos. “Tudo que se destaca causa inveja, sentimento de querer diminuir o trabalho das pessoas. Tenho consciência de que, ao longo desses quatro anos de mandato, busquei fazer um trabalho sério e comprometido na área da Saúde, na Educação, Agricultura, apoio Cultural, mas acima de tudo na  infraestrutura dos municípios que buscamos fortalecer. São mais de 150 cidades beneficiadas, que receberam ações através do nosso mandato. Tenho orgulho de dizer que sou deputado estadual do Piauí e isso só nos da força para trabalhar e querer fazer mais pelo nosso Estado”, afirmou.

Fonte; ParlamentoPiaui

Responder