Mais uma vez as famílias vítimas do rompimento da Barragem de Algodões, município de Cocal, Norte do Piauí, não receberam este mês o repasse dos recursos da indenização determinada pela Justiça do Piauí. O governo estadual deve pagar, mensalmente, R$ 2 milhões. A data do vencimento é o dia 25. A indenização de 60 milhões de reais foi parcelada em 30 meses. Outubro é o sétimo mês que deveria ser repassado o dinheiro das famílias.

No mês passado, o governo também atrasou o repasse da indenização para as 940 famílias dos municípios de Cocal e Buriti dos Lopes que tiveram perdas materiais e, algumas, parentes mortos.

Para muitas pessoas que tiveram perdas de casas e propriedades, o governo do Estado não está respeitando a decisão da Justiça. O acordo firmado entre as famílias e a administração pública estadual foi na presença do presidente do Tribunal de Justiça do Piauí, desembargador Erivan Lopes da Silva. Os representantes das famílias estão revoltados com o descaso do governo Wellington Dias e a paralisia do Poder Judiciário piauiense em não tomar uma decisão de cobrança ao Palácio de Karnak.

Neste domingo (29/10) foi marcada uma reunião das famílias com o presidente da Associação da Vítimas da Barragem de Algodões (ABAVA), Corsino Medeiros dos Santos. Devido a falta do pagamento da indenização, muitos defendem a ida a Teresina, para cobrar do governador Wellington Dias e dos desembargadores do Tribunal de Justiça, uma definição sobre o pagamento, evitando os atrasos.

Segundo o presidente da ABAVA, Corsino dos Santos, as famílias prejudicadas com o rompimento da barragem estão irritadas e indignadas com o atraso dos pagamentos . A maioria têm contas atrasadas no comércio por conta disso.

O secretário estadual da Assistência Social e Cidadania, deputado Zé Santana, informou que manteve contato com a Secretaria de Fazenda do Estado e foi informado que o governo prevê repassar os 2 milhôes de reais da indenização nesta segunda-feira. Zé Santana afirma que logo que o dinheiro chegar na SASC, será repassado para as contas das 940 famílias.

A barragem rompeu no dia 27 de maio de 2009. Somente oito anos depois da destruição das casas e propriedades foi que o Palácio de Karnak acertou na Justiça o acordo de indenização às famílias. Na época, o governador Wellington Dias havia recebido do Governo Federal cerca de 80 milhões de reais para reconstruir as residências. Muitos afirmam que foi gasto apenas cerca de 9 milhões de reais.

fonte: Parlamento piauí

 

Responder