O deputado estadual e pré-candidato ao governo do Piauí, Luciano Nunes, conversou nesta terça-feira (24) com policiais civis sobre as dificuldades na Segurança Pública do Piauí. Durante o encontro o deputado estadual também recebeu relatos dos policiais civis ativos e aposentados sobre a falta de efetivo e as péssimas condições de trabalho das delegacias no interior do Estado.

Luciano Nunes reconheceu durante a conversa que a situação da Segurança Pública no Piauí é caótica, principalmente pelo relatório apresentado pelos policiais civis sobre os desafios enfrentados pela categoria. “Quando a gente cobra o governo a alegação é de que não tem dinheiro. Mas, sobra dinheiro para bancar 60 secretarias e coordenadorias. Enquanto isso a população está sem Segurança Pública”, afirmou Luciano Nunes lembrando que o governador descumpriu o acordo de valorização salarial dos policiais.

De acordo com os policiais civis, apenas 30% dos cargos definidos por lei para a Polícia Civil estão preenchidos no momento. “É preciso que haja mudança porque o grupo que está aí já deu o que tinha de dar”, disse o presidente do Sindicato dos Policiais Civis (Sinpolpi), Constantino Júnior. Dados do Sinpolpi mostram que em lei são previstos 3.497 cargos a serem preenchidos entre peritos, policiais, escrivães e agentes de polícia, dos quais apenas 1.679 estão com funcionários.

O pré-candidato ao governo do Piauí defendeu que é preciso resgatar toda a política de Segurança Pública, que no momento está abandonada. “Precisamos fazer uma administração séria e comprometida, cortando pela metade o número de secretarias e coordenadorias, valorizando o servidor público e resgatando toda a política de Segurança Pública”, enfatizou.

Deoclécio Araújo, policial civil aposentado, destacou a necessidade de mudança para o Piauí após o encontro com Luciano Nunes. “Tá na hora de se fazer mudança no Piauí como no Brasil”, ressaltou o aposentado.

 

 

Fonte: Ascom

Responder