A polícia, que já o liberou, foi atrás do garoto por causa de um vídeo em que ele aparece dançando ‘Macarena’
É isso mesmo: você leu certo. Não se trata de uma daquelas notícias de brincadeira, mas sim de algo que aconteceu na Arábia Saudita, segundo informações do site Sabq. O menino, que foi posto em liberdade nesta quarta-feira, apenas 24 horas depois de sua detenção ter se tornado pública, foi preso sem nenhuma acusação formal contra ele. Em um vídeo ele acompanhava, munido de seus fones de ouvido, o ritmo de uma versão da popular música La Macarena em uma faixa de pedestres de uma rua do centro de Jeddah, a segunda maior cidade do país. A simpática imagem se tornou viral entre os internautas sauditas, chamando a atenção da polícia.
Segundo a BBC, o vídeo, que tem apenas 45 segundos, data de 2016, mas algum internauta se deparou com ele há poucos dias e a gravação acabou se tornado viral nas redes sociais. Embora a maioria dos usuários expressem simpatia para com o menino com emoticons sorridentes, com alguns até mesmo o qualificando de “herói”, houve também quem considerasse “imoral” o seu comportamento. O jovem se movimentava ao ritmo do velho sucesso de Los del Río, mas se estivesse dançando uma valsa daria na mesma. Há alguns anos, um juiz de Jeddah condenou dois jovens a cavar sepulturas depois que a polícia os flagrou cantando e dançando com suas respectivas amigas.

Neste caso, o juiz  decidiu não incriminar o menino, considerando que o assunto é do ano passado e que seu pai prometeu que isso não voltará a acontecer. No mês passado, as autoridades também optaram por não formalizar acusações contra uma mulher presa por aparecer em algumas imagens passeando com o cabelo ao ar livre e vestida de saia curta e camiseta entre as ruínas de Ushayqir, localizada a 150 quilômetros ao norte de Riad.

O incidente mostra, mais uma vez, a tensão existente na Arábia Saudita entre os rígidos códigos sociais impostos pelas elites religiosas para legitimar a monarquia e o anseio crescente de abertura por parte das novas gerações.

Responder