Eu vou contar coisas do meu sertão,
A terra em que nasci meu sítio, meu torrão,
Terra de meus pais, avós e ancestrais,
Onde há lindos versos à solidão.

Piauí a ti escrevo e prevejo
Meus sonhos de primavera,
meu destino, meus amores
Que no meu peito agora impera.

Piauí, terra de toda gente.
De um povo acolhedor, são coisas naturais.
Minha linda Teresina… Um progresso adjacente,
E um rio que desliza em suaves estendais.

Luís Correa é a nossa Veneza,
Suas praias refletem a calma e o revérbero,
Parnaíba, então, cidade de incrível beleza,
É como se na Terra declinasse o céu.


Embora reconheça à Floriano cidade luz,
A princesa do sul, suas flores…
A enamorada, sem dúvida, ardores,
É a Picos que me seduz.

Cidade de elevações e campinas,
Sua catedral é uma grande aquarela
Onde o seu povo se sublima,
Picos é por demais bela!

E Conceição do Canindé, me responda!

Se seu povo, ruas, praças e avenidas, não lembra

a Arara-canindé esboçada na Pedra Redonda.

Enfeitiça o viajor; Tu lembras?

Recordar Canto do Buriti,

Ave e cidade que se mesclam

Na beleza do canto e da paisagem

Oh! Saudade que sinto de ti.
Meu Piauí na cultura há muitos talentos…
Poetas e escritores que sopram ao vento…
Meninos e meninas desde tenra idade,
Inspira o arrebol e o entardecer na cidade!

Temos escritores e histórias sufocantes…
Sonetos e poemas que me deixa tolhido,
Repentistas e autores, o Piauí assiste
e persiste nas canções; Eu fico embevecido!

Numa endecha no Teatro Quatro de Setembro,
palco de um tempo triste que nos deixa.
Heróis e heroínas audaciosas…
Como “Jovita, a Heroína Preciosa”.

Piauí, teu hino proclama

Estrofes de tirar o fôlego,
Mas a ação de dois exploradores
Dá-me tristeza e dores!

Do Passado vem o clamor,
O chamado dos nossos irmãos e irmãs,
De sua história que nos legou
Os filhos que morreram em luta malsã!

Na canícula de seu clima entre pedras albentes,
Entre serrarias, campos e rios,
O Piauí é uma terra de esplendores,
Quem longe está voa à sua terra distante.

O héspero ilumina palidamente e derrama
seu luzeiro nas colinas, rios e enrama.
Fascinado, sigo em frente, peito aberto — livre atitude,
Sentindo a aragem e as noções da juventude.

Ainda na cultura, uma plêiade de valores,
Nas tertúlias mesclam-se trovadores,
autores e escritores do cultivo das artes;
São rios de poesias em belas páginas.

Como esquecer Torquato Neto,
Ou  A.Tito Filho, poetas de vanguarda que vem,
Como todos os demais, desfile de autores…
E de valores aqui sobrevém.

Terra querida,  já estou rouco de cantar
Ao vexilo que agita qual ave na aurora pálida!
Seu pendão no pavilhão ao sabor da aura cálida,
Adjacente, entre os picos de meu doce lar.

Do meu Piauí já falei em abundância…
Do folclore que aflora em constância
da literatura, dos causos, lendas e simpatias,
Dos provérbios, brocardos e mitos…

Do cordel e embolada e folguedos de noite e de dia,
Das crendices e figuras populares e repentes.
Os costumes e tradições da sabedoria popular,
Essa é a cultura que manifesta em toda gente!

A cultura de poesias de canção,
Alguns pelo folclore aplaude;
Outros, o homem regional, eis a indagação…
Este é o meu torrão, veja, leia, estude, explore!

Por Douglas Nunes

Responder