O Brasil, um dos países mais desiguais do mundo, viu a desigualdade ficar estagnada em 2017. O Índice de Gini, que quanto mais próximo de um mostra que a renda na região é mais concentrada, ficou em 0,549, a mesma de 2016. O agravante foi que apenas na Região Sudeste houve queda nesse indicador. A concentração de renda aumentou no Norte, Nordeste, Sul e Centro-Oeste, mostrou o IBGE nesta quarta-feira, ao divulgar o comportamento do rendimento de todas as fontes em 2017, com base na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnadc).

Pela primeira vez, é possível avaliar a evolução da desigualdade recente, já que os dados sobre todas as rendas na atual metodologia da Pnad passaram a ser compilados apenas a partir de 2016.

Em 2017, houve queda de 0,56% no rendimento de todas as fontes, que inclui além dos salários, aposentadorias, pensões, benefícios sociais como Bolsa Família e Benefício de Prestação Continuada (BPC), passando de R$ 2.124 em 2016 para R$ 2.112 em 2017. Nos rendimentos do trabalho, a queda foi mais intensa, de 1,36%. Mais intensa ainda entre os que ganham menos. Entre os 50% mais pobres, o recuo foi de 2,45%. Essa massa de 43,4 milhões de trabalhadores passou a ganhar R$ 754, valor 20% menor que o salário mínimo vigente no ano passado de R$ 937.

A massa de rendimentos mensal domiciliar per capita foi estimada em R$ 263,1 bilhões, mas altamente concentrada. Os 10% com os maiores rendimentos retiveram 43,3%, parcela superior aos rendimentos somados de 80% da população que concentra 41%. Com isso, 12,4 milhões de pessoas concentram a renda equivalente a de quase 100 milhões pessoas (99,6 milhões). Os que estão no topo da pirâmide de renda, o 1% mais rico, manteve sua distância dos 50% mais pobres. Eles recebem 36,1 vezes mais que 50% da população. No Nordeste, essa distância é ainda maior de 44,9 vezes. Na região, a desigualdade cresceu. Em 2016, a diferença era de 39,9 vezes. No Norte, essa diferença também subiu: passou de 31,9 vezes para 35,9 vezes.

SALÁRIO DOS PRETOS REPRESENTA POUCO MAIS DA METADE DOS BRANCOS

Nos rendimentos do trabalho, a desigualdade também se manteve no mesmo patamar. O Índice de Gini passou de 0,524 para 0,525. Novamente no Nordeste, a subida foi forte. O indicador passou de 0,545 para 0,550. Centro-Oeste foi outra região que viu a desigualdade no trabalho aumentar: de 0,493 para 0,518. As mulheres mantiveram a sua diferença salarial em relação aos homens. Elas recebem 77,5% do salário masculino: R$ 1.868 contra R$ 2.410. Mas já foi pior, em 2016, as mulheres ganhavam 77,2% do que ganhavam os homens. Entre negros e brancos, a distância também se manteve. Os pardos ganham o equivalente a 57% do salário dos brancos. Entre os pretos, a distância é ainda maior: eles ganham somente 55,8% do salário do branco.

fonte; G1

Responder