Situada entre os mares mediterrâneo, Ionian et Tyrrhenian, a Sicília possui 5 milhões de habitantes, o equivalente à 10% da população italiana. Ela foi invadida por normandos, gregos, árabes, cartagineses, espanhóis, etc. e cada um desses povos proporcionou um importante desenvolvimento comercial na história da ilha. Com tantas misturas de raças, os habitantes consideram-se primeiramente sicilianos e depois, italianos. O clima mediterrâneo favorece os verões quentes e um inverno ameno. A gastronomia é uma das mais incríveis da Itália. Pouca carne mas, muitos tipos de peixes e frutos do mar, além de verduras e frutas, principalmente limões e laranjas.E os vinhos são de ótima qualidade.

A Sicília é constituída de nove províncias: Palermo(a capital), Catania, Agrigento, Siracusa, Caltanissetta, Messina, Ragusa, Enna e a turística e espetacular Taormina. Esta pequena cidade do leste da Sicília é situada a 200m de altitude e tem uma linda vista para um mar azul intenso. Ela é sem dúvida, com seu teatro greco-romano e suas ruas íngremes, um dos mais belos cenários da Europa.

Nas redondezas de Taormina, nós podemos encontrar o mais alto vulcão da Europa, o Etna. Ele possui 3.300m de altitude e uma superfície de 1.250km2 . É um dos vulcões mais ativos do mundo. O solo em torno do Etna é extremamente rico e favorável a agricultura, aos vinhedos e as hortas. A Itália possui vários vulcões como o Stramboli ou o Vésuvio, porém o Etna, com erupções majoritariamente efusivas (durante a erupção a lava corre lentamente das crateras – 5km/dia), não representa um grande perigo para a população, mesmo se a vigília é permanente. A última erupção foi em fevereiro 2017 quando uma equipe de filmagem da BBC estava no local e uma dezena de pessoas ficaram feridas. Em 2002, uma grande profusão de lava expelida pelo Etna, provocou a destruição de uma estação de esqui.

A lava que corre do Etna, depois de fria, proporciona uma paisagem lunar ao local. Quando uma erupção acontece, vários metais provenientes do vulcão são despejados em torno das crateras. Em alguns lugares, perto das crateras, a concentração de ferro é tão grande, que a terra fica muito vermelha. Com o passar dos anos, a vegetação começa a brotar e recobrir os rios de lava. Nas praias, não encontramos areia fina mas, a formação de pedrinhas redondas de lava cinzenta e escura.

É também o caso das 7 ilhas Eólias (Vulcano, Lipari, Panarea, Filicudi, Alicudi, Salina e Stromboli) no mar Ionian. As águas são de um azul paradisíaco e as praias pretas como carvão. Na ilha de Stramboli, podemos admirar seu vulção explosivo, que a mais ou menos cada 15 minutos nos encanta com uma explosão de lava e bombas vulcânicas. Um espetáculo fascinante da natureza.

Vindo a ilha da Sicília é quase obrigatório uma visita aos desfiladeiros de Alcântara, são gargantas incrivelmente belas que se formaram após a erupção de um vulcão pequeno, localizada ao norte do Rio Etna. As lavas foram escorrendo até o mar, formando com o tempo, paredes altas de basalto, criando verdadeiros cânions, com gargantas de preto e paredes que refletem a luz, dando ao lugar um charme quase mágico.

Porém, não é a beleza natural que atira nas costas da Sicília os milhares de imigrantes vindos da África. Essas pessoas  fugindo da guerra ou em busca de uma melhor situação econômica, tentam entrar na Europa pelo mar com embarcações precárias, causando muitas mortes por afogamento. A Itália sofre com o aumento dessa população e sente-se pouco apoiada pela União Européia. Identificar os verdadeiros refugiados e expulsar os ‘refugiados econômicos’ é agora uma prioridade para os italianos. O recente acordo com a Líbia (país de onde vêm 90% das pessoas atravessando o mar mediterrâneo) prevê o aumento dos meios navais e o treinamento da guarda costeira libanesa. Faz também parte do plano, o resgate dos imigrantes no mar pelos libaneses pois, se um barco da união européia recolhe os imigrantes, eles não podem ser devolvidos de onde vêm. É também previsto de favorecer as condições de vida nos campos de acolhimento na Líbia.

A urgência de solucionar este problema é vital pois nesta região da Itália onde 26,4% da população é considerada como pobre (ganham menos de € 990.88 para um lar de 2 pessoas) e pouco industrializada, a economia não conseguirá absorver o fluxo incessante de refugiados.

Apesar dos problemas sócio-políticos com os quais a região sofre, a Sicília é sedutora, seus habitantes acolhedores e sorridentes, e a natureza , de modo estranho, particular, é extremamente generosa.

Por Jenna Colledan

Responder