Confusão, nervosismo, medo, incredulidade e pânico… muito pânico. O terremoto que sacudiu o México na quinta-feira começou alguns minutos depois da meia-noite e pegou de surpresa 50 milhões de mexicanos. O terremoto de magnitude 8,2 foi o maior terremoto em quase um século no país. “Fui acordado pelos gritos dos vizinhos, obviamente, foi muito forte, mas o mais impressionante foi o pânico das pessoas”, conta Karla, 32 anos, do bairro Narvarte.

O epicentro foi em Chiapas, mas Oaxaca é o epicentro da tragédia: as autoridades confirmaram a morte de vinte pessoas. Quando chegaram as primeiras imagens do sul do país, a história deu um giro radical: o colapso de um hotel em Matías Romero (Oaxaca), os danos na prefeitura de Juchitán de Zaragoza (Oaxaca) e a confirmação das primeiras mortes em San Cristóbal de las Casas, em Chiapas. A primeira informação que havia chegado era de uma capital ilesa e depois os informes do sul do país completaram um panorama trágico e inesperado.

“Você sabe que está no mesmo lugar e que poderia ter sido você”, diz Tania Navarro de San Cristóbal. A noite dela mudou de um momento para outro. Sua sobrinha tinha acabado de nascer às oito horas da noite e sua cunhada ainda estava no hospital após o parto. Quando sentiu o primeiro tremor do terremoto, os médicos pediram que seu irmão e sua esposa saíssem do hospital, mas eles se negaram. “A verdade é que não sabemos o que fazer quando chega o momento de um terremoto assim”, admite.

Já são 58 mortos no México e a ameaça de Tsunami continua em nais 8 países da costa do pacífico. são eles : Guatemala, El Salvador, Costa Rica, Nicarágua, Panamá, Honduras , Equador e Peru.

Por Patrícia Cassemiro

Responder